A Pérola do Tahiti .pdf


Nom original: A Pérola do Tahiti.pdfAuteur: Utilisateur

Ce document au format PDF 1.5 a été généré par Microsoft® Office Word 2007, et a été envoyé sur fichier-pdf.fr le 21/09/2013 à 16:18, depuis l'adresse IP 189.39.x.x. La présente page de téléchargement du fichier a été vue 885 fois.
Taille du document: 99 Ko (1 page).
Confidentialité: fichier public


Aperçu du document


A Pérola do Tahiti, única e insuperável
Seu revestimento reflete o brilho das lagoas dos atóis da Polinésia Francesa; e suas formas e curvas expressam
a sensualidade da forma femininas. Nascida nos Mares do Sul, a pérola do Tahiti tem todas as cores, charmes e
formas que você pode sonhar. Um raio de luz, uma revelação, uma explosão de cores que somente uma pérola
do Tahiti pode provocar. Não é uma surpresa que o homen e a mulhere de qualquer lugar do mundo tenham se
apaixonado pela “Poe Rava”, o nascimento da “pérola rara” na língua nativa da Polinésia Francesa. Cada pérola
do Tahiti tem sua própria essência, seu próprio brilho, forma e caráter. Cada uma tem algo único, insubstituível e
incomparável.

A Origem das Pérolas Negras do Tahiti
O berço das Pérolas Negras do Tahiti são as lagoas da Polinésia Francesa e suas profundezas iluminadas, com
suas àguas cristalinas azul-turquesa, rodeadas por um fragil anel de coral. A Polinésia Francesa localiza-se no
Oceano Pacifico Sul e conta com 118 ilhas e atòis, em 5 arquipélagos: o das Marquesas, o das Austrais, o da
Sociedade, o do Vento e o de Tuamotu-gambier, sendo neste ùltimo, onde se encontra a grande maioria das
fazendas de cultura de Pérolas Negras do Tahiti.

Gênesis
Algumas vezes, um grão de areia pode deslizar para o interior de uma concha. A intrusão gera grandes
mudanças A ostra envolve o intruso com camadas sucessivas de madrepérola ou aragonita. A partir desta visita
imprevista, nasce uma fina pérola. Anos depois, o homem exultaria ao encontrar a mais bela e incrivel pura
gema, o que acontecia muito raramente. Nos anos 60, na Polinésia Francesa, o homem desenvolveu a arte do
enxerto, já utilizada no Japão. No saco perolífero da Pinctada maragaritifera, o homem ao invés de enxertar um
grão de areia, enxerta um núcleo, um pedaço da concha de um bivalve de água doce, juntamente com um
pequeno pedaço de tecido transplantado do manto de uma jovem ostra. A pérola tem seu pròprio tempo, são 18
meses antes de virem ao mundo, duas vezes mais que o ser humano. Dia apòs dia, centenas de finas camadas
de cristais de aragonita se agregam ao redor do nùcleo e do tecido transplantado no saco pérolifero da ostra, até
o momento em que a alquimia é alcançada e no coração da ostra, nasce a pérola cultivada. O processo de
pérolicultura consiste de 5 etapas: a coleta, a reprodução das ostras, o enxerto, a criação e a colheita.

Uma pérola, muitas cores...e formas
Sob uma luz suave, o brilho e lustro revelam as pérolas. Apenas seus tamanhos são mensuráveis, medidos em
milímetros, onde as maiores são mais raras e as mais procuradas.
As cores das pérolas do Tahiti são naturais, e variam do branco ao negro, com diversos tons de cinza, verde,
azul, rosa, lilàs etc...
Em relação às suas formas, elas não são necessariamente redondas ou em formato de pêra. Podem ser esferas
perfeitas ou barrocas, circulares, em forma de gota, botão ou ovais. As pérolas veem para o mundo como bem
querem, sendo impossivel controlar suas formas antes de seu nascimento.

Redonda

Gota

Semi Barroca

Oval

Cerclée

Barroca


Aperçu du document A Pérola do Tahiti.pdf - page 1/1




Télécharger le fichier (PDF)


A Pérola do Tahiti.pdf (PDF, 99 Ko)

Télécharger
Formats alternatifs: ZIP



Documents similaires


a perola do tahiti
a perola do tahiti 1
presentation
vista flyerback
perols et ses ports
manual tecnico de adobe

Sur le même sujet..